Saiba como é feita a coleta de sangue – Tua Saúde

O termo flebotomia refere-se à incisão em um vaso sanguíneo de um cateter com o objetivo de administrar medicamentos em pacientes com acesso venoso difícil ou monitorar a pressão venosa central, ou até mesmo realizar a sangria, que é uma prática médica antiga realizada com o objetivo de diminuir os estoques de ferro ou o número de hemácias, como na hemocromatose e na policitemia vera, respectivamente. Saiba mais sobre a policitemia vera.

Atualmente o termo flebotomia é mais associado à coleta de sangue para exames laboratoriais e para doação. A flebotomia é um procedimento delicado e que deve ser realizado por um profissional devidamente treinado para esta função, pois qualquer erro na coleta pode alterar o resultado dos exames.

Para que serve

A flebotomia é mais utilizada com a finalidade de diagnóstico, sendo o sangue coletado enviado para o laboratório para que sejam realizadas as análises com o objetivo de auxiliar o diagnóstico e acompanhamento do paciente. A flebotomia corresponde à primeira etapa de diagnóstico, devendo ser realizada por um profissional capacitado para evitar alterações nos resultados.

Além de ser essencial para a realização de exames laboratoriais para diagnóstico e acompanhamento do paciente, a flebotomia pode ser realizada como opção de terapia, sendo então denominada sangria. A sangria tem como objetivo solucionar os problemas relacionados ao número aumentado de hemácias, no caso da policitemia vera, ou grande acúmulo de ferro no sangue, que é o que acontece na hemocromatose. Entenda o que é a hemocromatose e como identificar os sintomas.

A flebotomia é uma parte também essencial no processo de doação de sangue, que tem como objetivo coletar cerca de 450 mL de sangue, que passa por uma série de processos até poder ser utilizado por uma pessoa que precisa, auxiliando no seu tratamento. Saiba como é feita a transfusão de sangue.

Como é feita a coleta de sangue

A coleta de sangue pode ser feita em hospitais e laboratórios e o jejum depende do tipo de exame que foi solicitado. Saiba mais sobre o jejum para exame de sangue.

A coleta pode ser feita com seringa, em que é retirada uma quantidade total de sangue e depois distribuído nos tubos, ou à vácuo, que é mais comum, em que são coletados vários tubos de sangue seguindo uma ordem pré-estabelecida. O passo-a-passo para a coleta para fins laboratoriais são:

  • Reunir todo o equipamento necessário para a coleta, como o tubo em que o sangue será armazenado, luvas, garrote, algodão ou gaze, álcool, agulha ou seringa.
  • Conferir os dados do paciente e identificar o (s) tubo (s) em que será realizada a coleta;
  • Posicionar o braço da pessoa sob uma filha de papel ou toalha limpa;
  • Com o braço do paciente estendido, localizar uma veia com bom tamanho e que seja visível, reta e clara. É importante que a veia seja visível sem aplicar o garrote;
  • Em seguida, colocar o garrote 4 a 5 dedos acima do lugar em que será feita a coleta e reexaminar a veia;
  • Com as mão devidamente higienizadas, calce as luvas e desinfete o local em que será colocada a agulha. A desinfecção deve ser feito com álcool a 70%, passando em movimento circular o algodão. Após a desinfecção, não se deve tocar a área ou passar o dedo por cima da veia. Caso isso aconteça, é necessária fazer nova desinfecção;
  • Para fazer a coleta, deve-se solicitar que o paciente feche e abra as mãos para evidenciar as veias. Em seguida, realizar a penetração na veia num ângulo de 30º e proceder a coleta.
  • Assim que a coleta começa, afrouxar o torniquete e tirá-lo antes de retirar a agulha;
  • A agulha deve ser retirada delicadamente e logo em seguida deve ser aplicada uma leve pressão sobre o sítio da coleta ou uma gaze limpa ou algodão e solicitar que o paciente permaneça com o braço estendido para evitar hematomas.
  • Após a coleta, é importante descartar o material usado no descarte de perfurocortantes e não reencapar a agulha, pois há risco de acidentes. É importante que a coleta seja feita seguindo uma ordem pré-determinada pelo laboratório para evitar contaminação cruzada entre os aditivos presentes nos tubos.

    No caso da coleta realizada em bebês, o sangue normalmente é retirado por punção digital ou de calcanhar e, mais raramente, por meio da perfuração do lóbulo do ouvido.

    Veja mais Videos sobre Saúde Vida e Bem Estar que Separamos para Você!

    You may also like...

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    18 + 13 =

    Scroll Up